23.9 C
Campinas
segunda-feira, março 4, 2024
HomeNoticiasMeta e TikTok precisam aumentar esforços para frear desinformação sobre conflito em...

Meta e TikTok precisam aumentar esforços para frear desinformação sobre conflito em Israel

Comissão Europeia, o braço executivo do bloco de 27 nações, solicitou formalmente que a Meta e o TikTok fornecessem informações sobre as medidas que tomaram para reduzir o risco de disseminação e ampliação de conteúdo terrorista e violento, discurso de ódio e desinformação

almente no contexto atual do conflito entre Israel e o grupo terrorista Hamas. Nesta quinta-feira, 19, a UE exigiu que a Meta, dona do Facebook, Instagram e WhatsApp, e o TikTok explicassem o que estavam fazendo para conter publicações que tivessem desinformação ou conteúdo ilegal sobre o conflito.

A Comissão Europeia, o braço executivo do bloco de 27 nações, solicitou formalmente que a Meta e o TikTok fornecessem informações sobre as medidas que tomaram para reduzir o risco de disseminação e ampliação de conteúdo terrorista e violento, discurso de ódio e desinformação.

Aumento da desinformação ameaça fomentar conflito entre Israel e Hamas
Guerra Hamas x Israel: por que as redes sociais são acusadas de desinformação

De acordo com as novas regras da UE, que entraram em vigor em agosto, empresas de tecnologia possuem obrigações adicionais em relação aos conteúdos publicados pelos usuários – além das suas próprias políticas de uso. O objetivo é impedir que haja o compartilhamento e a publicação de conteúdos que possam alimentar discursos de ódio ou que contenham vídeos explícitos de violência e outras violações de direitos humanos.

Menos de três meses após a aprovação, as novas regras, conhecidas como Digital Services Act (DSA), já estão sendo amplamente colocadas à prova pela guerra entre Israel e Hamas. Fotos e vídeos inundaram as redes sociais com carnificina, juntamente com publicações de usuários que fazem afirmações falsas e deturpam vídeos de outros eventos.

Na semana passada, Bruxelas emitiu sua primeira solicitação formal de acordo com o DSA para a plataforma de rede social X, de Elon Musk, anteriormente conhecida como Twitter. O comissário europeu Thierry Breton, responsável pela fiscalização digital do bloco, também já havia enviado cartas de advertência às três plataformas, bem como ao YouTube, destacando os riscos que a guerra representa.

“Em nossas conversas com as plataformas, pedimos especificamente que elas se preparassem para o risco de transmissões ao vivo de execuções pelo Hamas – um risco iminente do qual devemos proteger nossos cidadãos – e estamos buscando garantias de que as plataformas estão bem preparadas para tais possibilidades”, disse Breton em um discurso na quarta-feira, 18.

A Meta e o TikTok não responderam imediatamente aos pedidos de comentários por e-mail.

As empresas têm até quarta-feira, 26, para responder às perguntas relacionadas à sua resposta à crise. Elas também têm um segundo prazo, até 8 de novembro, para responder sobre a proteção da integridade das eleições e, no caso do TikTok, sobre a segurança das crianças.

Dependendo de suas respostas, Bruxelas poderia decidir abrir um processo formal contra a Meta ou o TikTok e impor multas por “informações incorretas, incompletas ou enganosas”, disse a comissão.

Ultimas Notícias

Veja também

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here